terça-feira, 4 de setembro de 2012

O que é auto hipnose, relaxamento e inducao de transe, tecnica de relaxamento, cura das doencas-L.C.Martins

http://4.bp.blogspot.com/_4Z2WEw7O9JM/TSR0BVyES6I/AAAAAAAAADo/I9gw5VLXZ9Q/s1600/hipnose.jpgO que é auto hipnose?


Para ajudar aqueles que comecam a ler e se interessar por auto-hipnose/auto-sugestao, ou hipnose em geral, aqui está um pouco do site do Professor L.C.Martins.

Nao estou afiliada a nenhum site,  grupo, ou ongs. Nao recebo para indicar: pessoas, tratamentos, produtos ou sites. O que tento fazer é apenas trazer o que acho que pode ajudar. Se voce está comecando a se interessar pelo assunto "hipnose"; aconselho a ler muito mais do que apenas isso aqui, precisa pesquisar e ler mesmo muito.Tentarei postar mais sobre o assunto. Lembro a todos que devem ler e ouvir o que outros dizem em livros, palestras, ou vídeos com vosso filtro mental ativado - nao creiam em tudo, nao se torne discípulo de nínguem, nao de vossa fe 100% a nada e a ninguem. Estejam sempre atentos, recebam as informacoes, pensem, analisem, investiguem mais, pesquisem e depois formem vossa opiniao.

Senao, corre o risco de cairem no labirinto de crencas, das limitacoes - ou ficarao presos em apenas uma possibilidade dessa vida.

Jetztdiewahrheit!


Olá, fico feliz em receber sua visita! Espero, sinceramente, que aqui você encontre um caminho rápido e eficaz para ter mais saúde, paz e prosperidade.

A auto-hipnose é uma técnica desenvolvida pelo francês Emile Coué (1857/1926) e que ainda hoje é muito utilizada como terapia coadjuvante no tratamento de uma centena de patologias somáticas ou psicológicas, sempre com resultados ótimos.



Estes "resultados ótimos" você também pode obter para viver uma vida mais rica em todos os sentidos. O que você precisa é tão-somente dedicar alguns minutos, diariamente, antes de dormir, para registrar no seu subconsciente

os padrões de saúde, inteligência e criatividade que você QUER ter, bem como os padrões de comportamento ideais para conviver bem em sociedade. Basta isso. Não há nada de misterioso, nada de sobrenatural e não há qualquer contra-indicação. É apenas uma lei da natureza e que se cumpre exatamente como Cristo ensinou: "Bate e a porta se abrirá!" E esta "porta" está dentro de você
. Tenha certeza absoluta que você será capaz de produzir verdadeiros milagres na sua vida, desde que queira que esses milagres aconteçam pois não há limites para o homem que quer e que "crê". E é justamente esta "crença" que você vai alimentar através de simples exercícios diários (apenas dez minutos antes de dormir) e que, como conseqüência, resultarão numa "explosão" de muita saúde, paz e prosperidade na sua vida. Eu tenho a mais absoluta certeza disso.
Vale a pena experimentar.


O que é auto-hipnose

Auto-hipnose é uma técnica hipnótica levada a efeito pelo próprio indivíduo (sem necessidade de um hipnotizador). Sua prática pode trazer grandes benefícios à vida da pessoa, como melhorar a saúde, a aprendizagem, manter estável o nível do estresse, elevar a auto-estima, enfim, permitir que a pessoa alcance uma paz de espírito duradoura que há de se refletir em êxito e felicidade no seu dia-a-dia. Por isso mesmo, a auto-hipnose é bastante utilizada no apoio ao tratamento médico/psicológico, sendo inclusive recomendada por médicos e psicólogos como terapia coadjuvante nos seguintes casos:
1 - Dores de cabeça crônicas (de natureza conhecida ou não); 2 - Dores de estômago; 3 - Pressão alta; 4 - Dores reumáticas e nevrálgicas; 5 - Insônia; 6 - Sonambulismo; 7 - Sonhos aflitos; 8 - Perda do apetite; 9 - Alcoolismo; 10 - Distúrbios da fala, inclusive a gagueira; 11 - Perturbações nervosas da vista; 12 - Síndrome do pânico; 13 - Agorafobia (medo de ficar em lugares abertos); 14 - Obesidade; 15 - Claustrofobia, acrofobia etc.; 16 - Maus hábitos (como roer unhas, por exemplo); 17 - Ansiedade ; 18 - Deficiência imunológica, etc.

Como você pode ver, as possibilidades desta técnica hipnoterápica são imensas. Particularmente no que diz respeito à "aprendizagem" os resultados chegam a ser impressionantes. Através de um relaxamento bem feito e formulações apropriadas, pode-se, em curto espaço de tempo: 1) Desenvolver a capacidade criativa; 2) Melhorar substancialmente a memória; 3) Aumentar a auto-estima; 4) Melhorar a capacidade de concentração; 5) Obter um sono reparador (que é fundamental para a aprendizagem); 6) Vencer a timidez; 7) Vencer o medo; 8) Evitar o Bloqueio Mental por Tensão; 9) Corrigir erros de postura; 10) Melhorar o raciocínio etc.

Qualquer pessoa pode aprender a técnica da Auto-hipnose, onde é o próprio indivíduo que influencia a si mesmo por pensamentos e sugestões que lhes são interessantes e que ele mesmo formula, segundo os padrões que vamos ensinar aqui. Para que você tenha uma idéia dos resultados práticos e imediatos da auto-hipnose, basta lembrar que o auto-relaxamento - que é uma forma natural de relaxamento obtido através desta técnica - propicia à pessoa um estado de calma e tranqüilidade muito mais eficaz do que aquele obtido através de comprimidos, e isto sem que a pessoa corra o risco de qualquer efeito colateral.

E mais ainda, sem gastar um só centavo! Como disse anteriormente, através da auto-hipnose qualquer pessoa pode melhorar a sua auto-estima, acreditar mais em si mesmo e adquirir uma confiança que jamais havia experimentado antes. A "chave mágica" é o pensamento, dirigido de forma positiva ao seu subconsciente.
 Assim como você conseguiu decorar a tabuada e consegue recuperá-la na memória imediatamente quando precisa dela, você pode induzir também o seu subconsciente a produzir determinadas reações diante de situações específicas definidas por você mesmo. Por exemplo, você pode sugerir que seu organismo responda com calma e tranqüilidade sempre que você tiver que fazer uma prova ou concurso.
E seu organismo assim responderá, com calma e tranqüilidade. Nada complicado e que exija grandes preparações como vocês vão ver. Para se entender os efeitos da auto-hipnose, basta recorrer àquele clássico princípio "maquiavélico" que diz: mesmo uma grande mentira, se repetida com insistência, passa a ser verdade.
Pois é isso: "afirme com insistência, e acontecerá!" Há que se considerar também o conceito, hoje largamente admitido nos meios médicos, que nenhuma doença é exclusivamente somática ou exclusivamente psicológica. Corpo e mente influenciam-se, reciprocamente, num jogo permanente de causa/efeito. Assim, não é errado afirmar-se que o desequilíbrio emocional pode estar na raiz de doenças até então tidas como de absoluto cunho somático. A auto-hipnose, em razão disso, passa a ser recomendada para um espectro ainda maior desses males. Já sabemos, por exemplo, que a capacidade imunológica da pessoa é diretamente afetata pela qualidade das suas emoções.

A imunoglobulina A, encontrada na saliva e que impede a proliferação de microoranismos nas vias aéreas, reduz sua concentração quando a pessoa se sente diminuída em sua auto-estima, é humilhada ou repreendida publicamente. É comum o aparecimento de males - por exemplo, a gripe - imediatamente após um evento desta natureza. A auto-hipnose tem se mostrado também eficaz na melhoria da comunicação interpessoal.
A autodisciplina e o autocontrole possíveis de serem obtidos pela auto-hipnose funcionam como verdadeira proteção, tanto do seu casamento quanto do seu emprego e das suas relações pessoais com amigos e vizinhos. Nada tão difícil que não possa ser tentado. Afinal de contas, você vai “perder“ somente alguns minutos diários que, quando menos, servirão para reduzir a tensão muscular e esfriar a cuca. Já seria um bom lucro, não é mesmo?



Relaxamento e indução do transe
O relaxamento é uma técnica bastante antiga (já era praticada há mais de dois mil anos pelos iogues) para aliviar corpo e mente das tensões do dia-a-dia e, desta forma, permitir que o espírito (mente) alcance a iluminação (conhecimento, sabedoria, felicidade).


No século XVIII, o farmacêutico francês Emile Coué - um entusiasta das técnicas hipnóticas - descobriu que não era necessário "hipnotizar" um paciente para induzi-lo a reagir desta ou daquela forma. Bastava "relaxar" o paciente e "fazer a sugestão", com voz firme, decidida, para obter o mesmo resultado.



Mais recentemente, o pesquisador búlgaro Georgi Lozanov também "recuperou" a velha técnica iogue de relaxamento para levar seus alunos ao "estado de vigília relaxada", ideal para a aprendizagem. A técnica desenvolvida por Lozanov foi denominada Sugestopedia e, de certa forma, segue o que Coué já havia descrito cem anos atrás. Cabe registrar que, através da Sugestopedia, os alunos de Lozanov conseguiam aprender uma língua estrangeira em poucos dias. Fantástico, não é mesmo?


O princípio da auto-hipnose é bastante elementar e consiste basicamente na seguinte tese: "se você memoriza, você aprende; se você aprende, você reproduz; se você APRENDE BEM, é capaz de reproduzir AUTOMATICAMENTE".



Ora, se aprendemos melhor (e isto está cientificamente provado) quando estamos no "estado de vigília relaxada" (com o cérebro operando na faixa de 8 a 12 ciclos por segundo), e se as técnicas de relaxamento fazem abaixar as ondas cerebrais para este nível, nada melhor do que "relaxar para aprender".


Ocorre, por outro lado, que o nosso processo de aprendizagem não se limita só a informações lógicas e concretas. Somos também capazes de aprender princípios éticos, morais, regras de conduta, novos hábitos etc. Tudo isto é aprendizagem e, portanto, todas estas "informações" podem ser conduzidas ao subconsciente da pessoa em estado de relaxamento.


Hoje em dia sabemos, através de pesquisas, que o ser humano é capaz de memorizar:




10% do que lê


20% do que ouve


30% do que vê


80% do que se pratica

95% do que se diz de si mesmo




Ora, partindo-se destes dados não é difícil entender por que as "auto-sugestões" podem modificar radicalmente as nossas reações - somáticas e/ou psicológicas - diante de certas situações. É tudo uma simples questão de "aprendizagem".



A técnica do relaxamento
 
A hora mais indicada para aprender e exercitar o relaxamento profundo, isto é, a auto-hipnose, são os minutos antes de você adormecer(*). Nesse momento, a pessoa ainda tem pleno domínio sobre a consciência ao mesmo tempo em que, lentamente, suas ondas mentais baixam de nível, situando-se em torno de 8 a 10 ciclos por segundo. Mesmo sem esse relaxamento, em poucos minutos o consciente abre espaço à hegemonia mental do subconsciente e a pessoa dorme. O "relaxamento programado", entretanto, abre passagem para o subconsciente antes mesmo que a pessoa durma. Isso é importante porque, durante o sono, ninguém pode dar ordens a si mesmo.


(*) Quando você começa a ficar com sono - aquele período crepuscular entre estar totalmente acordado e totalmente dormindo - suas ondas cerebrais mudam, para ficar na faixa de 4 a 7 ciclos por segundo, ou seja, nível teta. Antes, entretanto, de você você atingir este estado, sua mente opera no nível alfa (baixo) por alguns minutos, e que segundo o Dr.Terry Wyler Webb, é a faixa apropriada para que sejam atingidos os níveis mais profundos da mente, ou seja, a mente subconsciente. É nos estados alfa e teta que as grandes proezas da supermemória - juntamente com os poderes de concentração e criatividade - são atingidos.




Faça de acordo com este roteiro:


-Recorte uma rodelinha de cartolina branca ou amarela, de dois centímetros de diâmetro, e cole na parede onde encosta a cabeceira da sua cama, a uns oitenta centímetros acima do colchão. Esta rodelinha deve ficar nesta posição para que você seja obrigado a olhar para trás durante o exercício. Isto vai forçar os músculos oculares e cansá-los em pouco tempo.



-Você já está na cama, pronto para dormir. Nada mais tem a fazer; as portas já estão fechadas e as janelas isolam o excesso do barulho de fora, se bem que o barulho ininterrupto e sempre da mesma intensidade, como o do trânsito que flui lá fora, perturba menos que um despertador, a campainha do telefone ou o latido de um cão no quintal do vizinho. Mas você está pronto, o quarto está pouco iluminado e você está deitado, de costas; as pernas não se cruzam e os braços estão dispostos ao longo do corpo, sem tocá-lo.



-Fixe então os olhos na tal rodelinha de cartolina, respire fundo duas ou três vezes e, sem jamais tirar os olhos deste ponto, pense nos seus pés. Diga a si mesmo, mentalmente, que você usou estas pernas o dia todo e ponha na cabeça que está muito cansado de uma longa caminhada que acaba de fazer. Imagine que seus pés estão cansados, pesados, parecendo de chumbo. Espere alguns instantes até sentir, realmente, seus pés pesados. Depois faça com que esta sensação de peso vá subindo pelo corpo: barriga da perna, joelhos, coxas, costas, nuca. Procure sentir que estão realmente pesados, muito pesados.



-Em geral, suas pálpebras se fecham naturalmente, por si mesmas, enquanto você se concentra no sentimento de peso nas canelas, joelhos, e por todo o corpo.



-Se isto ocorreu, você já atingiu a fase mais importante do relaxamento profundo. Nos primeiros dias, isso poderá levar até uns cinco minutos, porém, normalmente, isto ocorre mais depressa. Depois de algum treinamento, isto ocorrerá antes mesmo de você contar até três. Pessoas inteligentes, disciplinadas, de grande força de vontade, mental e espiritualmente sadias são as que atingem este ponto mais rapidamente. Esta prática, contudo, não é recomendável para pessoas com arteriosclerose acentuada ou doentes mentais. As pessoas mais jovens aprendem o relaxamento profundo em pouco tempo.



Continuando...



-Assim que perceber os olhos fechando, diga mentalmente a si mesmo: “Da próxima vez entrarei mais depressa e mais intensamente no estado de profundo relaxamento; a cada vez que pratico o relaxamento profundo chego mais depressa e mais intensamente a este estado”.


-Neste exato momento, os poros do seu subconsciente estão abertos e isso quer dizer que você pode ditar tarefas para si mesmo, tarefas estas que posteriormente se realizarão, supondo-se, naturalmente, que estas tarefas ou ordens sejam racionais, executáveis e possíveis de serem realizadas por você. Veja um exemplo de uma ordem racional e executável que pode ser dada por qualquer pessoa e realizada, posteriormente, com êxito: “Daqui em diante, comerei vagarosamente, mastigando bem”, ou, “Em qualquer situação ou sob qualquer circunstância, eu me mantenho sempre absolutamente calmo tranqüilo.”


-Você também pode melhorar sensivelmente a sua aparência, adquirindo até mesmo ares atraentes, dando esta ordem ao seu subconsciente : “Minha expressão é sempre jovial, meus olhos estão sempre brilhando e mantenho sempre uma postura bonita e atraente”.


-Seja qual for a "sugestão" que você dê a si mesmo (dentro dos limites racionais) saiba que ela será reproduzida AUTOMATICAMENTE diante das situações convencionadas. Aprenda isto: devidamente relaxado, você pode dar "ordens de cura" ou "ordens de conduta" a si mesmo, e elas serão "admitidas" pelo seu subconsciente e provocarão, conseqüentemente, mudanças importantíssimas na sua vida. Acredite nisso! 

  
Auto-hipnose na cura das doenças
Muitas pessoas recorrem à auto-hipnose para se curarem de males físicos ou psicológicos (como fobias, ansiedade etc). Esta procura é plenamente justificada nos resultados eficazes que se pode obter em curto espaço de tempo. (A literatura médica é farta de casos onde este tipo de hipnoterapia propiciou resultados fantásticos que muitas vezes ultrapassaram às expectativas dos próprios médicos.)


O fato destes "milagres" acontecerem, entretanto, tem uma explicação muito simples: é que as pessoas que recorrem à auto-hipnose, de um modo geral, estão "definitivamente" dispostas a se curarem e esta "disposição" é meio-caminho andado para a cura. Qualquer médico sabe disso.



A auto-hipnose tem se mostrado, ao longo dos anos, comprovadamente eficaz como terapia coadjuvante para dezenas de patologias, desde os casos simples (como insônia, por exemplo) até os casos mais graves. O estado de relaxamento obtido pela auto-hipnose permite a ativação dos complexos metabolismos do corpo humano, reduz imediatamente os estados de ansiedade e nervosismo, permite uma melhor oxigenação de todas as células do corpo e, PRINCIPALMENTE, reverte o estado psicológico da pessoa despertando a vontade de viver, a esperança e a fé. E é este "novo estado psicológico" que realmente leva à cura.


Neurotransmissores (como as endorfinas por exemplo, que propiciam aquele estado de bem-estar intenso e que "recarregam" as nossas forças e nos fazem sentir o "prazer de viver"), são "despejados" generosamente na corrente sangüínea quando obtemos o relaxamento. E muitos destes neurotransmissores exercem função ativa na cura de determinadas doenças.



Por outro lado, também o sistema imunológico é beneficiado pela auto-hipnose. Uma "simples sugestão positiva" pode aumentar, por exemplo, a concentração de imunoglobulina A na saliva e reduzir, desta forma, em 80% a possibilidade de a pessoa contrair uma virose como a gripe, por exemplo.



Disse, logo acima, que a auto-hipnose é capaz de reverter o estado psicológico da pessoa despertando a vontade de viver, a esperança e a fé. E é justamente sobre esta "fé" que eu gostaria de fazer alguns comentários.



Muito se fala sobre "fé", mas no entanto poucas pessoas conseguem entender o seu alcance. O sentimento de "fé" não tem nada de místico ou sobrenatural. Sem querer entrar no mérito religioso (não é este o nosso caso) gostaria de lembrar aos leitores que Jung, no início do século, conseguiu provar cientificamente a existência da energia psíquica. Esta energia, que segundo ele pode expandir-se para além do corpo humano e contactar outras formas (ou fontes) de energia, como a cósmica (que nós entendemos como energia de Deus), é responsável pelo equilíbrio de todas as funções do ser vivo. Este "contato" é possível de ser obtido pela auto-hipnose e, desde que obtido, resulta em fé.



Em assim sendo, o "bate e a porta se abrirá" ensinado por Cristo está plenamente justicado cientificamente. Da mesma forma, quando o mesmo Cristo se referiu a fé como um portal dos milagres, simplesmente antecedeu no tempo o que a Ciência viria descobrir quase dois mil anos depois. O sentimento da "fé" pode, de fato, reverter qualquer quadro clínico, independentemente da religião da pessoa. A "fé", contudo, é conseqüência deste contato, é resultado, e não causa. É importante atentar para isso antes de dizer "eu não tenho fé". Guarde isso: "a pessoa ora para ter fé, e não porque tem fé. A fé é o resultado da sua oração, não sua causa".



Lembre-se do que Goethe afirmou: "quando a pessoa assume um compromisso definitivo consigo mesmo, a Providência também passa a agir". De fato, ao "decidir se curar", a pessoa canaliza sua energia para este "portal" (que todo ser humano tem) e através dele passa a receber também toda a energia cósmica necessária para o equilíbrio das suas funções orgânicas e a saúde é restabelecida. A auto-hipnose é apenas um recurso que permite este "contato" entre a energia humana e as energias cósmicas. E, se bem não fizesse, creiam que também mal não faria.



Já não há mais dúvida para os cientistas que o "emocional" (os sentimentos) da pessoa exercem grande influência sobre seu organismo. Sentimentos de ódio, medo, ira, inveja e ressentimento podem deflagrar patologias das mais diversas, que vão desde uma simples insônia até úlceras gastrointestinais ou mesmo câncer. Através da auto-hipnose a pessoa pode "reformular" seu emocional - inclusive libertando-se do ressentimentos, que dos sentimentos negativos é o que mais corrói o organismo.



Ao formular sugestões do tipo "amo todas as pessoas e perdôo a todos os que me fizeram algum mal", a pessoa "destranca" imediatamente o seu portal dos milagres. (Talvez tenha sido por isso mesmo que Cristo fundamentou sua doutrina em apenas duas palavras: amor e perdão.) Nada muito complicado, não é mesmo?





Como fazer suas formulações:




As formulações auto-hipnóticas para restabelecer a saúde devem ser curtas, de fácil memorização e devem se prestar à repetição sistemática e contínua várias vezes por dia em estado normal (não-hipnótico).




Faça sugestões como as seguintes:


1 - Estou a cada dia, melhor! Meu organismo está funcionando maravilhosamente bem!


2 - Em qualquer lugar e sob qualquer condição, estou sempre bem!

3 - Estou me sentindo forte, saudável e feliz!

4 - Meu (citar o órgão ou sistema deficiente) está funcionando muito bem!

5 - Estou ótimo! Estou me sentindo muito bem! Todo meu organismo está funcionando muito bem! Estou definitivamente curado!




Observação importante: não faça jamais formulações negativas, ou seja, aquelas onde você diz "não estou doente", "não sinto dor" etc. As formulações devem ser positivas: "estou bem", "meu estômago está ótimo" etc. A pessoa que gagueja, por exemplo, não deve dizer "não vou mais gaguejar!". Deve dizer simplesmente: "diante de qualquer pessoa, falo calma e fluentemente!"



As formulações devem significar o que você realmente quer, o "resultado final", não os "estados intermediários". É por isso que você não deve dizer "estou me curando", mas sim "estou curado". O seu destino não é o que vem pela frente, mas o que ficou para trás. E o que fica para trás é sempre o "presente". Tudo o que você afirmar que está acontecendo AGORA será o seu destino DEPOIS.



Toda doença é frágil e inconsistente. O que dá dimensão à doença é a postura do doente. Se a pessoa "assume uma postura saudável" e reduz a importância da doença ao nível das "coisas insignificantes", ela será insignificante. Se você achar que um "calo" é mal terrível, assim ele será, com todas as conseqüências que uma coisa terrível pode gerar na sua vida.



Aprenda isto: "a doença tem sempre a dimensão que doente atribui". Não é o médico que define a gravidade da doença, é o paciente. Se você sofre de algum mal - seja ele qual for - reduza a importância dele! Cuide-se, tome os remédios receitados, siga os conselhos médicos, PORÉM, não valorize a sua doença! Ela é SEMPRE menor do que a sua VONTADE. Você é dono do seu corpo, logo é você quem decide sobre a importância que ela deve ter. Este é um direito seu!



Portanto...


abra os olhos...


olhe em volta...

e sorria!!!



Sorrir, é um remédio irresistível! Não há mal que resista a um sorriso. E sabe por quê? Porque quando você sorri, Deus também sorri! E nada pode ser mais forte do que uma parceria assim: VOCÊ e DEUS! Esta é uma dupla IMBATÍVEL! Creia nisto!




"O sorriso é um remédio genial. Quando a pessoa sorri (mesmo diante da dor) canaliza grande quantidade de energia vital para suas células. Por ser "expressão de felicidade", o sorriso tem propriedades curativas. É por isso que a pessoa que sorri com insistência raramente fica doente e, quando fica, cura-se com facilidade. O subconsciente "interpreta" o sorriso como um sinal de que "tudo está bem". E se tudo está bem, o organismo funciona como se tudo estivesse bem. Tudo muito lógico e natural."
Dr. Edward Banks/médico



"Minha primeira preocupação quando recebo um paciente no meu consultório é fazê-lo sorrir. Se conseguir isso, certamente ele será curado."
Dr. Joseph Bauer/médico

 

Pratique auto-hipnose para “corrigir” seus medos

O medo é um sentimento de grande inquietação diante de
um perigo real ou imaginário. Isso mesmo, podemos sentir medo tanto diante de fatos reais, como aquele que sentimos diante de um cão bravo, como medo de “coisas imaginadas” tais como medo de um “ataque alienígena”, medo de alma penada, medo de duendes, gnomos etc.

É um sentimento natural e necessário ao homem.

O problema é quando ele causa sofrimento,
prejudicando a vida e a carreira da pessoa.





O medo de sermos atropelados, por exemplo,

nos faz olhar para os dois lados da rua antes de atravessá-la.
Da mesma forma, é o medo de não cumprir o prazo dado
pelo chefe que nos obriga a concentrar esforços
e muitas vezes trabalhar até tarde para dar conta do
recado. Até o medo de errar é normal e natural.


O problema é quando ele se torna exagerado e vem associado a outros fatores como insegurança, baixa auto-estima e depressão. É nesse estágio que o medo deixa de ser um sentimento primário (como o amor e a raiva), para tornar-se algo mais complexo que necessita de cuidados.





Diferença entre medo e fobia




A palavra fobia vem do grego "phobia"; esta, por sua vez, deriva-se da palavra grega "phobos", também nome de um deus grego, significando "pânico, terror". Segundo a lenda, esse deus provocava medo intenso em seus inimigos, já que tinha um rosto terrivelmente feio.




A fobia é uma forma especial de medo, e apresenta as seguintes características:


1) desproporção entre a gravidade da situação e a emoção despertada;



2) ausência de controle voluntário;


3) tendência a evitar a situação.




A prática clínica têm verificado que a origem de tais distúrbios é um somatório de fatores genéticos, histórico-pessoais e da cultura onde o cliente se desenvolveu. Para o tratamento das fobias, qualquer que seja a técnica escolhida, é fundamental que o cliente esteja motivado para eliminar o comportamento fóbico. Boas formulações auto-hipnóticas (auto-sugestivas) podem trazer excelentes resultados.


Especificamente nesse caso, é recomendável que numa fase inicial,

o indivíduo cumpra um mínimo de três sessões diárias incluindo o
relaxamento.



Reações mais comuns diante do medo:



1. Fuga

É a reação típica mais freqüente. Ela pode ser ativa, quando o indivíduo evita uma situação presente que lhe causa aversão. Pode também ser passiva, que é quando evitamos qualquer coisa que tenha sido associada à antigas punições. As fobias podem servir como exemplo nesses casos.



2. Imobilidade

Se a fuga pela ação não é possível, então fugimos pela omissão. Nesse caso, aparece o desmaio (com bradicardia e queda de temperatura corporal, que são associadas à palavra "negação"). Quando o perigo é iminente e incontrolável, súbito e potencialmente letal, o organismo pode desenvolver tal tipo de fuga. Há registro de mortes por parada respiratória ou cardíaca ("morte de susto") e de outros casos em que o indivíduo desenvolve paralisias funcionais parciais ou gerais.



3. Defesa agressiva x agressão

Ambas as situações são formas de fuga à ansiedade (ou ao estímulo) que o desencadeou. Na defesa agressiva, o indivíduo "blefa" com uma postura corporal agressiva contra atacantes potencialmente perigosos. É uma atitude de "risco", que os animais tomam apenas em situações extremas como, por exemplo: quando uma fêmea de coelho defende os filhotes contra uma raposa, ela apresenta uma postura de coluna vertebral arqueada, o que faz seu tamanho aparentar ser bem maior . Aparece também entre animais da mesma espécie, quando, por exemplo, uma mãe defende o filho contra o pai que o ameaça, colocando-se à sua frente e alargando seu tórax de modo a "esconder a cria" atrás de si. Nós, seres humanos, primatas superiores, herdamos o contato visual direto como uma forma de comunicar superioridade e gerar ansiedade social nos membros mais inseguros ou inexperientes.



Já a agressão ocorre em última instância. É sabido que os animais ditos "inferiores" só agridem quando não têm outra forma de fugir do ataque a que se julgam ou estão submetidos. Um leão só atacará se doente ou com muita fome e, mesmo assim, dificilmente o fará sobre uma fêmea prenhe ou que esteja amamentando.


As agressões no homem são mais freqüentes que nos demais animais. As "defesas agressivas" verbais e posturais logo se caracterizam em ataques verbais ou corporais, que levam à imobilização do oponente.




4. Sumissão


Há várias situações em que vemos o ser humano usando de estratégias "diplomáticas" que "desarmam" o seu agressor. É preciso diferenciar dois tipos de submissão: a real e a estratégica.


Na real, o indivíduo deixa de lutar e se crê realmente um perdedor. Desiste. Deprime-se. Na estratégica, o organismo avalia suas chances, analisa a situação, observa seu opressor e tenta descobrir maneiras de conhecê-lo melhor. Para isso ele precisa de tempo e ganha esse tempo tornando-se aparentemente submisso.



Com a falsa submissão, o indivíduo anteriormente colocado em situação inferior ganha tempo, alivia sua ansiedade , "estuda" o contexto e tenta resolver a ocasião conflitante geradora de ansiedade.






A fisiologia do medo:




Toda e qualquer emoção tem uma representação no cérebro, que é mediada por neurotransmissores, entre eles a noradrenalina, a serotonina e a dopamina.


A fisiologia do medo se inicia nas amígdalas (estruturas que nada têm a ver com as da garganta), que têm o formato de uma noz e ficam próximas à região das têmporas. Elas identificam uma situação ou objeto do qual se deve tomar cuidado e enviam ao hipotálamo o sinal para a produção dos neurotransmissores. A partir daí, começam as reações no organismo que nos deixam em estado de alerta para agir, enfrentando ou fugindo da situação.


As amígdalas estão presentes na maioria dos animais. São elas, por exemplo, que fazem com que um cervo reconheça o perigo e fuja de seu predador.


O que diferencia o homem dos outros animais é que ele é o único ser capaz de ter medo do medo. Isso acontece porque o homem é o único animal que consegue “imaginar”. E a imaginação, como dizia Einstein, é mais forte que o conhecimento.
 

O poder da imaginação

Napoleão costumava dizer que “a imaginação controla o mundo”. Realmente, se você estiver numa rodinha de amigos e supreendê-los informando que há uma epidemia de piolhos no bairro, poderá reparar que em poucos minutos todos estarão coçando a cabeça, expressando preocupação.


Assim como um eletrocardiograma acusa os mais finos impulsos elétricos de seu coração, o eletroencefalograma também registra os menores impulsos elétricos do seu cérebro. Se alguém se sente realmente ameaçado por um inimigo, surgem no eletroencefalograma registros que são exatamente iguais aos que se originam quando alguém apenas imagina que está sendo ameaçado. Se alguém tem a certeza e sente que está passando por um grande vexame, as curvas do seu eletroencefalograma se assemelham por completo às que teria apenas com a imaginação viva de estar se tornando alvo do vexame.


Podemos, desta forma, estabelecer alguns princípios fundamentais sobre a ação/reação da imaginação sobre a realidade.



1 - O que determina o nosso modo de agir não é a realidade existente, mas aquilo em que cremos e que, para nós, é a verdade

A pessoa que se sente ameaçada ou perseguida, mesmo que não haja nenhum perigo em torno dela, vive com medo da “sua realidade” que, mesmo sem ter relação com a “realidade externa”, é muito poderosa para ela. E os nossos medos podem ser entendidos desta forma.


Os nossos medos não precisam refletir a realidade externa, porém, fazem parte da nossa realidade interna. É por isso que muita gente tem medo de alma penada, curupira, extra-terrestres etc.




2 - A imaginação é capaz de provocar alterações de toda sorte no organismo de uma pessoa

E, comprovadamente, estas alterações têm correlação qualitativa: pensamentos positivos - fé, amor, esperança, alegria etc. - provocam reações saudáveis na pessoa. Sentimentos negativos - ódio, ressentimento, medo etc. - provocam reações desagradáveis, como por exemplo, dores, prisão de ventre, indisposição estomacal, insônia e, segundo comprovam as pesquisas, também fazem baixar o nível imunológico tornando a pessoa predisposta à infecções de diversos tipos.



3 - Tudo o que pensamos, com clareza e firmeza, transplanta-se, dentro dos limites do bom senso, para a faixa somática

Ao imaginarmos que estamos comendo uma fatia gostosa de abacaxi, é comum que as glândulas salivares comecem a segregar saliva, já repararam isso? Se imaginarmos, com firmeza, que não podemos fazer uma coisa, por exemplo, soltar as mãos fortemente encaixadas uma na outra, então não poderemos mesmo.



4 - Nosso consciente é constantemente influenciado pelo subconsciente Desta forma, podemos programar nosso subconsciente para o sucesso da mesma forma como podemos programá-lo para o fracasso.



5 - Quando a razão e a imaginação têm pontos de vistas diferentes, vence sempre a imaginação.

A imaginação é mais forte que a inteligência. Mesmo sabendo (razão) dos riscos estéticos de comer doces a toda hora, poucos resistem à idéia (imaginação) de provar uma fatia daquele pudim de laranja gostoso que está na geladeira. Assim sendo, nenhuma pessoa inteligente deve fazer tentativas a partir, exclusivamente, da “força de vontade”. Antes disso, ela precisa, necessariamente, reprogramar sua imaginação.

É exatamente neste princípio que se fundamenta a cura do medo pela auto-hipnose. Observe que o medo é uma projeção da imaginação. Se você “imagina” que os cachorros vão lhe morder, não os enfrentará.



6 - O acesso mais fácil para o subconsciente é o estado de total relaxamento

Quando as ondas cerebrais caem para em torno de oito ciclos por segundo - estado alfa - abrem-se os poros do nosso subconsciente facilitando a transferência de informações do consciente para a memória profunda. Assim sendo, é justamente quando estamos relaxados que devemos “incutir” na nossa mente as novas verdades nas quais queremos acreditar.






Pontos importantes a considerar:




1 - Uma coisa que angustia uma pessoa, nem sempre angustia outras pessoas. Isto prova que as nossas angústias decorrem muito mais da forma como “apreendemos” determinados conceitos do que próprio fato em si. Exemplo? Alguns estudantes têm medo de matemática, outros não. Logo, o que é pernicioso não é a matemática, mas sim o medo da matemática.


2 - Se você repetir, com insistência, uma determinada “informação”, esta informação será apreendida pelo subconsciente e se converterá em verdade. Exemplo? Se você repetir com insistência “quando deito na cama, pego no sono com extrema facilidade” nunca mais passará uma noite insone. Sabe por quê? Porque quando você deitar na cama, seu subconsciente identificará este ato e responderá com ordem de adormecer.


3 - Quando, entretanto, você repete uma “informação” (como uma ordem) estando auto-hipnotizado, ou seja, em profundo relaxamento, esta informação segue direto para o subconsciente, fazendo com que você ganhe tempo e eficiência.


4 - Você nunca deve expressar sua vontade para informar ao subconsciente o que "não deseja". Isto, como vimos, provocaria um duelo entre a sua vontade e a sua imaginação. Se você afirmar “não tenho medo de quarto escuro”, seu subconsciente responderá “tem sim!”, porque esta é a sua realidade. Se você, entretanto, afirmar “quarto escuro, tudo bem”, evitará o duelo vontade/imaginação e seu subconsciente incorporará esta frase como uma nova verdade. E você logo perderá o medo de quarto escuro.


5 - De um modo geral, todos os males orgânicos têm
um correspondente psicológico.
E, quase sempre, esses correspondentes estão
ligados ao medo, aos preconceitos e/ou ao ressentimento.

6 - Se você, sempre que lembrar de um mal físico ou psicológico (que esteja lhe acometendo), repetir três vezes “estou melhorando rapidamente”, com certeza terá melhoras expressivas... e rapidamente. Experimente!


7 - Você é capaz de vencer qualquer tipo de medo, repetindo com insistência: “tal coisa (cite o objeto do medo) é completamente indiferente para mim”. Um exemplo? Veja: “lugares altos ou lugares baixos são completamente indiferentes para mim. São só lugares onde sempre me sinto muito bem.”


8 - Quer emagrecer? Repita: “alimentos que engordam são completamente indiferentes para mim”. Ou, “como sempre moderadamente, e tenho uma preferência especial com comidas leves e sem gordura”.


9 - Quer vencer a timidez? Repita: “muito me agrada o convívio com outras pessoas. Me sinto muito bem conversando com elas”. Ou, “Diante de estranhos, muita calma.”


10 - Lembre-se: cada “problema”, seja ele físico ou mental, resulta de um conceito mal formulado. Reformule o conceito e resolverá o problema. Tal como num problema de matemática. Não há mistério nisso.


11 - Se você, a partir de hoje, dedicar mais um pouco de atenção às outras pessoas, se envolver mais com a humanidade (entendendo que as pessoas só reagem mal porque “apreenderam” conceitos errados) e, doar mais afeto e compreensão ao invés de tentar “concentrar” o mundo ao seu redor, com certeza você estará começando uma nova vida. Uma vida - com certeza - sem medos e plena de realizações.




Repita várias vezes por dia:



“Por ação deste meu tratamento, vou me sentindo cada vez melhor, cada vez mais calmo, mais tranqüilo, mais seguro e mais confiante em mim mesmo. Sou dinâmico, saudável, alegre e bem-disposto.”

“Por isso estou a cada dia melhor...”


“Porque... todos os dias, sob todos os pontos de vista...
vou cada vez melhor!!!”



Como você pôde ver, sentir medo é absolutamente normal. Todas as pessoas sentem, cada uma ao seu modo. A questão é tão-somente saber administrá-los, diminuir sua importância, torná-los banais. Isso é possível através das técnicas auto-sugestivas e auto-hipnóticas que você acabou de ler.

Da mesma forma como você reage com naturalidade diante dos fatos corriqueiros da vida, pode também reagir assim diante de eventos, imagens ou situações que hoje lhe causam temor. Basta que você se dê alternativas.

Quando você entra num quarto azul ou quando você entra num quarto verde, não experimenta sensações acentuadas, simplesmente porque tanto o quarto azul quanto o quarto verde são indiferentes para você. Pois é exatamente essa indiferença que você tem que atribuir ao motivo do seu medo, seja ele qual for.

Tenho a mais absoluta certeza de que você vai conseguir.



 http://www.camarabrasileira.com/projetosaber.htm